10 anos de Hyperdub

A Hyperdub é uma editora londrina actualmente considerada das mais visionárias e influentes na música electrónica. À semelhança da Warp ou da Ninja Tune, estabeleceu-se como uma editora independente e foi responsável pelo lançamento de artistas como Burial, King Midas Sound, Scratcha DVA, Zomby, The Bug, Cooly G ou Darkstar.

Fundada em 2004 por Steve Goodman (Kode9), este ano completou 10 anos de existência e celebrou a ocasião com o lançamento da extensa compilação Hyperdub 10. Infelizmente o ano 2014 foi também tragicamente marcado pelas mortes de Spaceape e de DJ Rashad, referência máxima da cena Footwork.

Apesar da sua génese no Dubstep, a visão futurista e inconformada de Kode9 provocou algumas mutações na editora britânica ao longo da ultima década. Inicialmente com uma forte influência jamaicana, por volta de 2008 começa um novo ciclo explorando um género que estava ainda a emergir – o som ‘purple‘ ou ‘wonky‘ – com os lançamentos de Ikonika, Zomby e Darkstar. Através de artistas como Hype Williams, Cooly G e DVA assume mais tarde a sua fase UK Funky e recentemente temos assistido a uma aposta muito grande em Footwork/Juke com o lançamento de várias faixas dos membros da Teklife, incluindo o ultimo album editado Next Life.

Talvez seja devido a esse carácter mutacional que Hyperdub 10 é dividido em 4 compilações temáticas (2 delas em CD duplo) numa mistura de faixas novas, antigas e clássicos, cobrindo todos os angulos e dimensões tomadas pela editora nos últimos 5 anos.

 

Hyperdub 10.1 é direccionado para a pista de dança. Com uma primeira parte de Dubstep e UK Funky por nomes como Mala, Kyle Hall, Kuedo ou Flowdan, a segunda parte apresenta-nos ao Footwork da Teklife por DJ Spinn, Rashad, Taso e Earl. O 2º CD desta compilação contém 17 temas mais antigos de produtores como LV, Mark Pritchard, Ill Blu ou Terror Danjah.

O segundo volume é um showcase de vocalistas/songwriters mostrando que a história da Hyperdub não se faz apenas nos clubs. Fatima, Inga Copeland, Jessy Lanza e Roses Gabor são algumas das cantoras presentes, apresentando um lado mais soul e r&b, sempre dentro da estética “estranha” e imprevisível da editora. Hyperdub 10.2 contém ainda a colaboração de Ikonika com Dam Funk e de Morgan Zarate com Gosthface Killah.

A terceira parte desta antologia mergulha na exploração da musica ambiente e espacial cuja dimensão etérea acompanha-nos ao longo de todo o álbum, fazendo deste Hyperdub 10.3 o que mais se afasta do núcleo. A complementar os clássicos de Burial e Laurel Halo encontramos material novo de artistas como Dean Blunt, Lee Gamble, DJ Earl, Fatima Al Qadiri e até do próprio Kode 9.

Hyperdub 10.4 encerra a série e regressa ao club com uma viagem pelas sonoridades garage, techno e house com faixas de Funkystepz, Walton, Dorian Concept ou Cooly G. O tema com mais destaque é sem dúvida Lambeth, uma produção de Burial diferente ao que estamos habituados, que nunca foi editado e se tornou exclusivo desta compilação.